segunda-feira, 19 de fevereiro de 2007

Leitor: Letra de Médico

O texto abaixo foi escrito pela leitora Mariana Drechmer. Agradecemos a colaboração e aproveitamos a oportunidade para informar a todos os visitantes que temos muito interesse em publicar seus artigos. Vale ressaltar que esse texto reflete apenas a opinião da leitora e não a dos editores do site.

Ao descobrir esse blog, e após ler os poucos textos que já o compõem, comecei a pensar no título “Letra de Médico”, com o adendo “- aqui todos se entendem”. Passei a refletir no porquê de os médicos serem famosos por sua caligrafia, que de cali (correto) não tem nada! E aí vai uma consideração aos farmacêuticos e balconistas de farmácia, que se desdobram para desvendar o mistério da receita médica.

Tudo na vida tem um porquê. E o que não tem, com certeza um dia terá. Por que os médicos escrevem em códigos?

A primeira hipótese que me vem à mente é a falta de tempo. Façamos a imagem: segunda-feira, 8h, pronto-socorro lotado, cheio de entorses de tornozelo e contusões lombares, cefaléias lancinantes e atestadites agudas. Número de médicos no local: 2. Número de pacientes por hora por médico: 30. Realmente não me parece viável escrever “Tome por via oral 1 comprimido 2 vezes ao dia”. Muito mais rápido seria: “Tome v.o. 1cp 2x/dia”, e, é claro, com uma grafia em que se leria qualquer coisa que parecesse mais agradável que tomar remédio.

Alguns até dizem que a grafia médica é aprendida antes dos estágios, nas famosas aulas de 2h30 de duração, com professores logorréicos e com vontade de esgotar o assunto que demoraram anos para compreender. Numa tentativa desesperadora de fazer valer a aula, e até por saber que pelo livro não vai dar pra estudar mesmo, as canetas correm nos cadernos, alucinadas. Às vésperas da prova, o caderno vira um belíssimo criptograma, cuja decifragem passa a ser objetivo de todos.

Recordo-me agora de um amigo, psicólogo, que me deu uma resposta coerente à minha pergunta. Segundo ele, nós sentimos insegurança. Temos medo de sermos julgados pelas nossas condutas. Quando se é claro, corre-se o risco de se ser excessivamente claro. E a partir daí, há espaço para argumentos em cima da decisão do “Dr. Médico”. Amigos, não é perigoso quando entendem aquilo que falamos? Porque, dessa forma, além de decidirmos a conduta, teremos que ter argumentos que a justifiquem! Significa que teremos que estudar mais, que nos aprimorar mais, e dessa vez não mais pensando no dinheiro ou no título.

Poderemos racionalizar agora. E é isso que a maioria dos médicos faz. Racionalizar. Negar. Somos os donos da verdade, e se não somos, um dia seremos. Na verdade, podemos não o ser na frente do professor-doutor, mas na frente do técnico de enfermagem... “Afinal, é muito fácil julgar-nos, não é mesmo? E as condições em que trabalhamos? E a pressão que sofremos, desde o dia em que decidimos prestar vestibular? E a autoconfiança que nos cobram? E a concorrência, então! Bom, no fundo essas pessoas que emitem essas opiniões queriam todas ser médicos. E o ato médico, dessa forma...”

Justificativas. Racionalizações. Se, entretanto, considerarmos que existe a possibilidade de o psicólogo estar certo, teremos substrato para fazer uma auto-análise – análise do ego, e análise da classe médica. Análise do que concordamos e daquilo que nos gera mal-estar. Análise do que queremos, e do que querem de nós. Análise do que consideramos cali, do que consideramos correto. A análise pode começar com a própria grafia.

Que médico você quer ser? Que médico você admira?

6 comentários:

  1. Não sei, acho essa história de letra de médico um pouco lenda. Já encontrei médicos com caligrafias indecifráceis, mas o mesmo também já ocorreu com policiais, açougueiros, bancários... De qualquer forma, parabéns pelo ótimo texto!

    ResponderExcluir
  2. Sidarta da Frota Silva27 de fevereiro de 2007 20:12

    É mesmo no mínimo complicado esse tema colocado pela Mariana. Penso, como ela mesma escreveu, que é difícil voltar a escrever como nos tempos de secundaria, quando então tínhamos todo o tempo do mundo, inclusive pra escrever com diferentes cores, sublinhado, centralizados, enfeites e etc... quando passamos no mínimo 6 anos "escrevendo" feito loucos, tentando registrar os importantíssimos aspectos colocados pelos nossos professores Doutores durante as aulas do curso de medicina. Porém os nossos pacientes ademais de não terem nenhuma culpa dos nossos “hábitos” adquiridos durante a profissão q escolhemos, também teem o direito de saber o que estamos receitando e deve ser capaz de ler claramente o que está escrito. Isso tudo sem falar de outros aspectos que envolvem o tema como, por exemplo, a ética e uma possível demanda judicial por várias possíveis conseqüências de uma má leitura dos fármacos receitados. Portanto, cabe unicamente a nós, “futuros médicos” e “médicos” esforçar-nos para exercer com verdadeira justiça e honra a profissão tão nobre e digna que escolhemos, evitando qualquer que sejam as conseqüências de um ato falho com respeito ao assunto em pauta.

    ResponderExcluir
  3. concordo com o texto menos na parte da insegurança...

    ResponderExcluir
  4. Caligrafia sempre será importante, seja para eventos seja para o dia-a-dia!

    ResponderExcluir
  5. Olá, primeiramente gostaria de parabenisar pela matéria, e gostaria de salienar que foi de grande ajuda e meu trabalho de conclusão de curso, estou em fase final onde estou acertando ultimos detalhes, mais algo me chamou a atenção "“Tome por via oral 1 comprimido 2 vezes ao dia”. Muito mais rápido seria: “Tome v.o. 1cp 2x/dia”, " este problema detectado esta sendo agora um dos detalhes que irei acrecentar em meu trabalho, onde estou desenvolvendo um software em linguagem WEB, no qual o médico prescreverá somente pelo eletrônicamente, e essa observação que fiz, tomei a iniciativa de inserir um campo +/- assim, 1cp 12x12, e esta opção ficará para o médico somente dar um click e para o paciente sairá em sua receita desta forma: tomar 1 comprimido a cada 12 horas´, desde já agradeço o artigo escrito e foi de grande ajuda!

    ResponderExcluir
  6. CatarinaOi Van,Vi pelo seu Instagram que esta gre1vida! PARABc9NS!Estou gre1vida de 3 meses (apf3s meses na tentiva) e piecrso URGENTE de dicas dos produtos para usar na gravidez, corpo e rosto. Vc pode dar dicass?E seu bebea nasce quando? Nos conte um pouco como foi essa novidade para vc! Ale9m de dar dicas de beleza e9 legal sabermos um pouco sobre vc e claro sobre a Keka mas vcs nunca contam nada a ne3o ser sobre produtos.beije3o

    ResponderExcluir